Portuguese v1.0

HOME HEALTH CARE CLASSIFICATION (HHCC),

OF NURSING DIAGNOSES AND INTERVETIONS

BY VIRGINIA SABA, EdD RN, FAAN, FACMI

 

Translated by:

Heimar F. Marin, PhD, RN

Universidade Federal de San Paulo – Centro de Informatica em Enfermagem

Rua Napoleao de Barros, 754 – CEP 04024-002 San Paulo SP – Brazil

Phone: +55-11-5576 4033 / 5549-7522

Email: heimar@denf.epm.br

 

Classificação do cuidado em saúde domiciliar (HHCC) de Diagnósticos e Intervenções de Enfermagem

Virginia Saba

 

 

Nota de tradução:  A sigla original da classificação será mantida por ser internacionalmente conhecida. Assim, a classificação neste texto será sempre referida como HHCC.

 

 

A Classificação do cuidado em saúde domiciliar de Diagnósticos e Intervenções de Enfermagem (HHCC) foi desenvolvida para fornecer um novo modelo e estrutura para codificar e categorizar os serviços de enfermagem em saúde domiciliar. A Classificação do cuidado em saúde domiciliar de Diagnósticos e Intervenções de Enfermagem possui dois únicos esquemas de classificação em enfermagem dominciliária, que foram empiricamente desenvolvidos dos dados do Estudo de Classificação em cuidado domiciliar. HHCC usa a estrutura dos 20 Componentes de Enfermagem em Cuidado Domiciliar para classificar e codificar os diagnósticos e as intervenções de enfermagem em cuidado domiciliar. O HHCC pode também ser usado para o processo computacional e análise estatística dos achados de estudo.

 

Background

 

A Classificação do cuidado em saúde domiciliar de Diagnósticos e Intervenções de Enfermagem (HHCC) conduzido por Saba (1991) na Escola de Enfermagem da Georgetown University foi desenhado para desenvolver um método para acessar e classificar pacientes a fim de determinar os recursos necessa’rios para fornecer serviço de atendimento domiciliar à população com seguro saúde Medicare (USA), incluindo os resultados do cuidado prestado. Para alcançar este objetivo, os dados que o atual recurso utiliza, que pudessem ser objetivamente mensuráveis, foram usados para predizer os recursos necessários (Saba, 1992b).

Este estudo consistiu de uma amostra nacional de 646 agencias de serviço domiciliar, randomicamente estratificada pelo tamanho da equipe, tipo de propriedade e localização geográfica. O estudo nas agências de saúde domiciliar perimitiu coletar 8.961 casos com alta recente pelo Medicare, representando cada episódio de atendimento ao paciente de forma completa, ou seja, da admissão a alta.

O estudo coletou dados de todas as variáveis relevantes – demográfica, serviço de cuidado ao paciente, data da visita, dados de alta – considerados como possíveis preditores de recursos necessários para o cuidado domiciliar. Os dados do estudo foram analisados para determinar a significância estatística de métodos alternativos de classificação. Os métodos estatísticos enfocaram dois distintos objetivos. O primeiro foi conduzir análises decritivas de cuidados ao paciente em atendimento domiciliar e os servicos prestados. O segundo foi desenvolver uma classificação que pudesse predizer recursos necessários para o atendimento.

 

Coleta de Dados

Como parte da coleta de dados, duas questões abertas foram utilizadas para coletar os diagnósticos de enfermagem e os serviços de enfermagem prestados durante o episódio de cuidado domiciliar. Estas duas questoões abertas forneceram o maior volume de dados já coletados de pacientes do serviço de atendimento domiciliar (Saba, 1992a; Saba et al.,1991).

A primeira questão coletou todos os diagnósticos de enfermagem ou problemas dos pacientes identificados como a maior razão pela qual o paciente precisou de atendimento. Esta questão também coletou a disposição de cada diagnóstico de enfermagem na alta, sendo considerado o resultado do cuidado. A segunda questão coletou todas as habilidades do serviço de enfermagem, tratamentos significantes, atividades e intervenções prestadas durante o episódio de cuidado.

 

Estratégia do desenho da classificação

Com a finalidade de codificar e classificar as declarações narrativas, dois únicos esquemas foram desenvolvidos. Uma estratégia foi desenvolvida que inicialmente processou em computador, a narrativa textual dos primeiros 1000 pacientes. As narrações dos diagnósticos e das intervenções de enfermagem foram introduzidas na base de dados como um meio de determinar termos comuns. Utilizando ordenação por palavra-chave por permuta, os termos semelhantes foram ordenados e reunidos. Exemplos de como os termos foram reunidos estão a seguir apresentados:

Diagnóstico de Enfermagem: “alteração do conforto” e “alteração da dor” e “alteração do conforto devido a dor” foram reunidos como “Conforto alterado” e “dor” tornou-se uma subcategoria.

Intervenções de Enfermagem: “Instruir a cura da ferida”  e “ensinar o cuidado de ferida” foram reunidos de duas formas: “instruir e ensinar” foram reunidos como “ensinar” e “instrui”r tornou-se sinônimo; e “curar ferida” e “cuidar da ferida” foram reunidos como “cuidar da ferida”.

Centenas de outras ordenações por palavras-chave foram analisadas. Os termos dos diagnósticos e intervenções de enfermagem foram não somente ordenados separadamente como também mapeados por paciente. Utilizando esta técnica, dois esquemas foram desenvolvidos, testados, refinados e usados para codificar e classificar as narrativas das duas questões. Uma descrição de cada esquema é apresentada a seguir:

Diagnósticos de enfermagem em cuidados domiciliares

Todo diagnóstico de enfermagem e/ou problemas do paciente foram coletados de episódios completos de atendimento em saúde domiciliar de cada pacientes do estudo. Um total de 40.361 diagnósticos de enfermagem e/ou problemas do paciente foram identificados como necessários serviços de enfermagem incluindo o resultado de alta atual.

 

Definição de diagnóstico de enfermagem

Um diagnóstico de enfermagem é um julgamento clínico sobre as respostas do indivíduo, família e comunidade aos atuais ou potenciais problemas de saúde e processos da vida. O diagnóstico de enfermagem fornece as bases para a seleção das intervenções de enfermagem para atingir resultados pelos quais o enfermeiro é responsável (NANDA, 1990, p.5). Diagnósticos de enfermagem são conceitos usados para descrever atuais ou potenciais problemas de saúde dos clientes. Eles descrevem a prática clínica de enfermagem de maneira uniforme.

 

Esquema de codificação dos Diagnósticos de enfermagem

As  descrições dos diagnósticos de enfermagem em saúde domiciliar foram desenvolvidos baseadas na Taxonomia I – revisada 1990: com diagnósticos de enfermagem (NANDA, 1990; Fitzpatrick et al., 1989). A lista de 104  diagnósticos de enfermagem NANDA para uso clínico foi adaptada, revisada e expandida para incluir adicionais condições diagnósticas de enfermagem em cuidado domiciliar que foram consideradas ser como novas categorias diagnósticas. O esquema diagnóstico final em cuidado domiciliar consistiu de 145 diagnósticos de enfermagem em cuidado domiciliar: 50 dos quais eram categorias diagnósticas principais e 95 subcategorias.

 

Objetivos/resultados esperados dos diagnósticos de enfermagem

As descrições dos diagnósticos de enfermagem em cuidado domiciliar também incluiu a coleta de dados sobre resultado atual de cada diagnóstico de enfermagem. Uma mensuração de resultado foi determinada para ser usada como objetivo do cuidado domiciliar e ainda, considerado como sendo outra faceta do nome do diagnóstico de enfermagem. Além disso, foi analisado como objetivo na admissão mesmo, embora fosse avaliado na alta e usado como medida de resultado do cuidado domiciliar. Como resultado, foi usado um modificador para codificar objetivo/resultado esperado do cuidado domiciliar, tendo uma de três possíveis condições: MELHORADO: as condições do paciente mudaram e melhoraram; ESTABILIZADO: as condições do paciente não mudaram e não necessitam futuros cuidados; DETERIORADO: as condições do paciente mudaram e pioraram.

 

Intervenções de enfermagem no cuidado domiciliar

Todas as intervenções de enfermagem foram coletadas de episódios completos do cuidado domiciliar. Elas incluem não apenas os 28 códigos “tratamentos especializados” da  Health Care Financing Administration (HCFA, 1977), mas também 80.283 adicionais descrições coletadas como serviços de enfermagem prestados durante o episódio de cuidado domiciliar.

 

Definição de Intervenção de Enfermagem

Uma intervenção de enfermagem é definida como uma ação de enfermagem – tratamento, procedimento ou atividade – designada a atingir um resultado para o diagnóstico – médico ou de enfermagem – pelo qual o enfermeiro é responsável. Os serviços de pacientes são originados inicialmente como ordens médicas por um referido médico e revisado pelo enfermeiro que realizou a admissão do paciente. Com parte da admissão, o enfermeiro primário também determina as ordens de enfermagem baseadas nos diagnósticos de enfermagem e nos resultados esperados; juntos, estabelecem um plano de cuidado que inclui intervenções de enfermagem (Campbell, 1990).

 

Esquema de códigos de intervenções de enfermagem

As descrições das intervenções de enfermagem em cuidado domiciliar foram codificadas, baseadas no esquema único desenvolvido para este estudo. Estas descrições não foram sempre mutuamente exclusivas. Muitas foram determinadas  por representar descrições mais precisas de uma dada categoria, tal como “trocar curativo”  é mais preciso do que “cuidar da ferida”. Baseado no conhecimento clínico, categorias principais são ações que englobaram várias tarefas que foram categorizadas em subcategorias, por exemplo, “trocar curativo”, uma única ação de enfermagem feita em “cuidar da ferida”. O esquema de intervenção resultante consiste de 160 Intervenções de Enfermagem ( 60 categorias principais de intervenções de enfermagem e 100 subcategorias.

 

Tipos de Ações nas Intervenções de Enfermagem

As descrições também permitiram identificar o tipo de ação de cada intervenção de enfermagem. Foi observado que haviam dois aspectos para um serviço de enfermagem: o próprio serviço e a ação que modificou o tipo da intervenção de enfermagem. Ao testar e examinar os dados, quatro diferentes tipos de ações de enfermagem surgiram repetidamente: (a) avaliação (assessment) , (b) cuidado direto, (c) ensino, e (d) gerência dos serviços de enfermagem. A estratégia desenvolvida usou diferentes códigos para descrever estes quatro tipos de ações. Isto não só reduziu a lista de intervenções de enfermagem, mas também simplificou o processo de codificação.

O esquema de intervenções de enfermagem foi revisado para incluir os tipos de ação de intervenção de enfermagem. Eles são modificadores e foram codificados da seguinte forma: Avaliar: dado coletado e analisado do estado de saúde; Cuidado direto: desempenho de ação terapêutica; Ensinar: prover conhecimento e habilidade e Gerenciamento: coordenadar e encaminhar.

 

Componentes do cuidado de enfermagem domiciliar

Os diagnósticos e intervenções de enfermagem também requerem uma estrutura de classificação e uma estrutura de codificação para facilitar o processamento computacional e a analise estatística. Os dois esquemas – 145 diagnósticos de enfermagem e 160 intervenções de enfermagem – eram muito extensos para fornecer significado estatístico que pudesse predizer os recursos necessários.

 

Design e Estratégias de codificação dos componentes de enfermagem.

Inicialmente, diferentes esquemas de classificação de enfermagem foram testados para identificar um modelo de codificação e estrutura que pudesse ser usado para analisar os dados. O esquema de diagnósticos de enfermagem que foram revisados incluíram: NANDA – Nove padrões de resposta humana que classifica nomes de diagnósticos de enfermagem de acordo com o fenômeno em enfermagem (NANDA, 1990); Gordon – Onze padrões funcionais de saúde que foram desenhados para organizar os dados de avaliação do paciente coletados durante o exame de admissão de enfermagem (Gordon, 1982); Nove sistemas corporais fisiológicos empiricamente determinados para serem expressivo resultados deste estudo; Carpenito – vinte grupos ( onze padrões funcionais de saúde de Gordon e nove condições fisiológicas que a autora usou para referir problemas colaborativos  – 1989) e Classificação de Problemas Omaha  – lista de 44 problemas (VNA de Omaha, 1986) que fornece um método para identificar, denominar e organizar os problemas da prática de enfermagem na saúde da comunidade.

Vários esquemas de intervenções de enfermagem foram também revisados. Eles incluíram: Esquema de intervenções Omaha com 63 nomes que foram desenvolvidos para classificar as ações e atividades de enfermagem (1989); IOWA Intervenções, que selecionou as intervenções de enfermagem para os diagnósticos de enfermagem determinados  (Bulecheck & McClosky, 1985) e vários livros no assunto como por exemplo Campbell (1990).

A análise estatística destes esquemas de diagnósticos de enfermagem foi considerada muito extensa, não específica o suficiente, não interligando as Intervenções de enfermagem e não característica do estado de saúde do paciente domiciliar. Ainda, não foi possível estatísticamente analisar os esquemas de intervenção de enfermagem porque os esquemas existentes não são classificados ou agrupados de modo a viabilizar a análise estatística.

Como resultado, os Vinte Componentes de Saúde Domiciliar foram empiricamente desenvolvidos dos dados deste estudo. Eles forneceram uma armação para classificar e codificar os diagnósticos e intervenções de enfermagem em saúde comunitária. Foram utilizados para o processo computacional e para análise estatística dos dados.

 

Definição dos componentes de enfermagem

Um componente de enfermagem é definido com um conjunto de elementos que representa um padrão funcional, comportamental ou fisiológico de cuidado de saúde domiciliar. Cada componente representa um padrão único da prática clínica de enfermagem em saúde comunitária. Os Vinte Componentes de Saúde Domiciliar também fornecem uma estrutura para avaliar as solicitações do serviço de enfermagem – diagnóstico de enfermagem, objetivos e resultados esperados, intervenções de enfermagem e tipos de ações. Os 20 componentes foram identificados com sendo clinicamente mais relevantes nas classes de avaliação, melhor preditores dos recursos solicitados nos serviços de saúde domiciliar e a mais apropriada estruturada para classificar os diagnósticos e as intervenções de enfermagem em saúde domiciliar. (Saba, 1992a).

 

Figura 1 – Vinte componentes de enfermagem em saúde domiciliar

A – Atividade                                       B – Eliminação intestinal

C – Cardíaco                                        D – Cognitivo

E – Coping (abrangência)                      F – Volume de líquidos

G – Comportamento em saúde               H – Medicação

I – Metabólico                                      J – Nutricional

K – Regulação física                              L – Respiratório

M – Relacionamento de papel                 N – Segurança

O – Auto-cuidado                                 P – Auto-conceito

Q – Sensorial                                       R – Integridade de pele

S – Perfusão Tissular                            T – Eliminação urinária

 

 

Estrutura de Codificação da Classificação de Saúde Domiciliar

Os esquemas de diagnóstico e intervenções de enfermagem também requeriram uma estrutura de códigos para facilitar o processamento computacional. Usando o formato da décima revisão da Classificação Internacional de Doenças de problemas de saúde relacionados (CID -10) (WHO, 1992), um quinto caracter alfanumérico de código foi desenvolvido. O quindo caracter de código consiste de: (a) um caracter alfabético na primeira posição para o “Componente de saúde domiciliar”; (b) seguido de dois dígitos numéricos para as “categorias principais”; (c) seguidos de dois dígitos decimais – o quarto para uma  “subcategoria”, e (d) um quinto dígito para ‘modificador”. Um modificador é usado para um resultado esperado para cada diagnóstico de enfermagem e tipo de ação para cada intevenção de enfermagem.

 

HHCC para diagnósticos de enfermagem

Cada diagnóstico de enfermagem foi classificado usando código de cinco caracteres. Um exemplo de uma estratégia de codificação segue e é ilustrada na Figura 2. Para codificar o termo, é preciso referir-se ao Índice de Diagnóstico de enfermagem da HHCC. O diagnóstico de enfermagem “Intolerância de Alteração da atividade” é mais preciso do que “Alteração da Atividade”. O primeiro caracter codifica o Componente de enfermagem em saúde domiciliar “Atividade: como A”; seguido de dois dígitos de Categorias Diagnósticas Principais “Alteração da Atividade: como 01”, seguido de quatro dígitos decimais de Subcategorias disgnósticas “Intolerância a Atividade: como .1”; e seguido de um quinto dígito modificador para objetivo de resultado  esperado: “Melhorado: como .11”. O código completo fica então “A01.11”.

 

Figura 2: Exemplo da Estrutura da Classificação para codificar um Diagnóstico de Enfermagem em saúde domiciliar com um objetivo de resultado esperado.

Alteração na Intolerância a atividade: melhorado

A01.11

Componente de enfermagem:                             Atividade                                   = A

Categoria de diagnóstico de enfermagem:            Atividade Alterada                      = A01

Subcategoria do Diagnóstico de enfermagem:       Intolerância a Atividade               =A01.01

Resultado Objetivo esperado:                              Melhorado                                 = A01.11

 

 

Intervenções de enfermagem de HHCC

Cada intervenção de enfermagem foi também classificada usando um código de cinco caracteres. Um exemplo da estratégia de codificação segue e é ilustrado na Figura 2. Para codificar o termo é preciso referir-se ao Indice de Intervenções de Enfermagem daHHCC. A intervenção de Enfermagem “Trocar curativo de ferida” como revisado, é mais preciso como intervenção de enfermagem e descreve uma tarefa específica de “Cuidado de ferida”. O primeiro caracter do código do componente “Integridade tissular como R”; seguido de dois dígitos das Categorias de Intervenção Principais “Cuidado de ferida: como 55”; seguido de quatro dígitos decimais de Subcategorias de Intervenção “trocar curativo como .2”; seguido de um quinto dígito modificador para o tipo de ação/intervenção “cuidado direto como .22”.  O código completo é “R55.22”.

Figura 3: Exemplo da Estrutura da Classificação para codificar uma Intervenção de Enfermagem em saúde domiciliar com o tipo de ação.

Trocar Curativo de ferida

R55.22

Componente de enfermagem:                             Integridade tissular                     = R

Categoria de intervenção de enfermagem:           Cuidado de ferida                       = R55

Subcategoria da Intervenção de enfermagem:      Trocar curativo                          = R55.2

Tipo de ação da intervenção:                              Cuidado direto                           = R55.22

 

 

 

 

Figura 4 – Exemplos dos códigos dos Diagnósticos de Enfermagem com e sem Modificadores de Resultados Esperados

Diagnóstico de enfermagem Código final Resultado Esperado Subcategoria Categoria Diagnóstica ComponenteHHCC
Intolerância a Atividade Melhorado A01.01  

Melhorado

 

 

Nenhuma

 

 

 

Atividade

alterada

 

 

 

 

Atividade

Dor aguda Estabilizada Q45.12  

Estabilizado

 

 

Dor Aguda

 

 

 

Conforto

Alterado

 

 

 

 

Sensorial

Padrão respiratório Prejudicado L26.2  

 

Padrão respiratório Prejudicado

 

 

 

Respiração

Alterada

 

 

 

 

Respiratório

Coloque zero para nenhum ou em branco

 

 

Figura 5 – Exemplos de códigos de Intervenções de Enfermagem com Tipo de Modificadores de Ação

Intervenção de enfermagem Código final Modificador de Ação Subcategoria Categoria de serviço ComponenteHHCC
Avaliar Sinais Vitaia K33.01  

Avaliar

 

 

Nenhuma

 

 

 

Sinais Vitais

 

 

 

Regulação fisica

Trocar curativo de ferida R55.22  

Cuidado direto

 

 

Trocar curativo

 

 

 

Cuidado de ferida

 

 

 

 

Integridade Tissular

Arranjar refição rápida G17.34  

Gerenciar

 

 

Refeição rápida

 

 

 

Programa de comunidade

 

 

 

 

Comportamento de saúde

 

 

Sumário

A Classificação de Cuidados a Saúde Domiciliar para Diagnósticos e Intervenções de Enfermagem, usando os 20 componentes fornece um modelo e uma estrutura para classificar e codificar o cuidado de enfermagem domiciliar. A Classificação de Cuidados a Saúde Domiciliar para Diagnósticos e Intervenções de Enfermagem  foi empiricamente desenvolvida e estatísticamente significante. Foi baseada no julgamento clínico e fornece um modelo analítico para levantar dados do paciente, avaliar, medir e analisar o cuidado de enfermagem domiciliar.

A Classificação de Cuidados a Saúde Domiciliar para Diagnósticos e Intervenções de Enfermagem oferece uma nova abordagem para organizar o registro do paciente, documentando o processo de enfermagem e determinando os recursos requeridos. Além disso, pode ser usado como dicionário de dados para elementos da prática clínica de enfermagem nos sistemas computacionais baseado no paciente. A Classificação de Cuidados a Saúde Domiciliar para Diagnósticos e Intervenções de Enfermagem fornece as bases para medir a qualidade dos resultados e efetividade do cuidado de enfermagem domiciliar. A Classificação de Cuidados a Saúde Domiciliar para Diagnósticos e Intervenções de Enfermagem expande a base de conhecimento da enfermagem em cuidado domiciliar e saúde comunitária.

A Classificação de Cuidados a Saúde Domiciliar para Diagnósticos e Intervenções de Enfermagem incluindo os componentes está apresentada no Anexo, a seguir. Inclui: A – A Classificação de Cuidados a Saúde Domiciliar para Diagnósticos e Intervenções de Enfermagem – componentes de enfermagem em duas tabelas: (a) indice alfabetico com códigos e (b) índice alfabético com definições;

B – . A Classificação de Cuidados a Saúde Domiciliar para Diagnósticos  de enfermagem em 3 tabelas: (a) classificação dos 20 componentes e esquema de códigos, (b) lista alfabética com definições e códigos, (c) índice alfabético com códigos; e,

C – A Classificação de Cuidados a Saúde Domiciliar para Intervenções de Enfermagem em 3 tabelas: (a) classificação dos 20 componentes e esquema de códigos, (b) lista alfabética com definições e códigos, (c) indice alfabético com códigos.

 

Referências

 

 

 

ANEXOS

 

A Classificação de Cuidados a Saúde Domiciliar para Diagnósticos e Intervenções de Enfermagem

 

Por Virginia Saba, EdD,RN,FAAN,FACMI

 

 

Modificações terminológicas e definições feitas em colaboração com Sheila M. Sparks, D.N.Sc., RN, CS Professor Assistente, Georgetown University.

 

V.K. Saba, 9/1/90

HHCC Projeto apoiado por HCFA N. 17C-98983/3

Todos os direitos reservados. Nenhuma parte pode ser reproduzida, transmitida, estocada e recuperada de qualquer forma, em qualquer fórum ou por qualquer meio, exceto os permitidos por lei, sem permissão expressa escrita do autor.

 

 

ANEXO A

A Classificação de Cuidados a Saúde Domiciliar (HHCC) dos Componentes de Enfermagem e Códigos.

 

Tabela 1 – A Classificação de Cuidados a Saúde Domiciliar – 20 componentes: indice alfabético com códigos

A – ATIVIDADE

B – ELIMINAÇÃO INTESTINAL

C – CARDÍACO

D – COGNITIVO

E – COPING (ABRANGÊNCIA)

F – VOLUME DE LÍQUIDOS

G – COMPORTAMENTO EM SAÚDE

H – MEDICAÇÃO

I – METABÓLICO

J – NUTRICIONAL

K – REGULAÇÃO FÍSICA

L – RESPIRATÓRIO

M – PAPEL E RELACIONAMENTO

N – SEGURANÇA

O – AUTO-CUIDADO

P – AUTO-CONCEITO

Q – SENSORIAL

R – INTEGRIDADE DE PELE

S – PERFUSÃO TISSULAR

T – ELIMINAÇÃO URINÁRIA

 

Tabela 2 – A Classificação de Cuidados a Saúde Domiciliar – 20 componentes: lista alfabética com códigos e definições

A – ATIVIDADE

Conjunto de elementos relacionados ao uso de energia na realização de              ações  corporais

B – Eliminação intestinal

Conjunto de elementos relacionados ao sistema gastrointestinal

C – Cardíaco

Conjunto de elementos relacionados ao coração, vasos sanguíneos e         sistema circulatório.

D – Cognitivo

Conjunto de elementos relacionados ao processo mental e cerebral

E – Coping

Conjunto de elementos relacionados com a habilidade para lidar com        responsabilidades, problemas ou dificuldades

F – Volume de líquidos

Conjunto de elementos relacionados ao consumo de líquidos

G – Comportamento em saúde

Conjunto de elementos relacionados a ações para sustentar, manter ou     recuperar a saúde

H – Medicação

Conjunto de elementos relacionados  a substâncias medicinais.

I – Metabólico

Conjunto de elementos relacionados aos processos endócrinos e imunológicos

J – Nutricional

Conjunto de elementos relacionados a ingesta de alimentos e nutrientes

K – Regulação física

Conjunto de elementos relacionados aos processos corporais

L – Respiratório

Conjunto de elementos relacionados a respiração e ao sistema pulmonar

M – Papel e Relacionamentol

Conjunto de elementos relacionados a interações interpessoais, de trabalho, sociais e sexuais.

N – Segurança

Conjunto de elementos relacionados a prevenção de injúria, perigo e        perda

O – Auto-cuidado

Conjunto de elementos relacionados a habilidade para excecutar               atividades para manter-se

P – Auto-conceito

Conjunto de elementos relacionados a imagem mental do indivíduo          sobre si mesmo

Q – Sensorial

Conjunto de elementos relacionados aos sentidos

R – Integridade de pele

Conjunto de elementos relacionados a membrana mucosa, corneal, inter-  tegumentar ou estruturas subcutâneas do corpo

S – Perfusão Tissular

Conjunto de elementos relacionados a oxigenação dos sentidos

T – Eliminação urinária

Conjunto de elementos relacionados o sistema genitourinário

 

ANEXO B

A Classificação de Cuidados a Saúde Domiciliar (HHCC) dos Diagnósticos de Enfermagem e Esquema de Códigos

 

Adaptado de NANDA: Taxonomia I: revisada 1990

 


A Classificação de Cuidados a Saúde Domiciliar (HHCC)

dos Diagnósticos de Enfermagem com Objetivos/Resultados Esperados e Esquema de Códigos

 

A estrutura de códigos para a Classificação de Cuidados Domiciliares de Diagnósticos de enfermagem é descrita abaixo. A estrutura é usada para diagnósticos de enfermagem domiciliar incluindo um objetivo/resultado esperado. A estrutura de código consiste de cinco caracteres alfanuméricos; o primeiro caracter é um caracter alfabético, representando o componente de saúde domiciliar; o segundo e o terceiro caracter são dígitos numéricos representando o diagnóstico de enfermagem em saúde domiciliar principal; um quarto dígito é em branco ou um dígito decimal representando uma subcategoria diagnóstica; e um quinto caracter é um dígito decimal (1,2 ou 3) representando o modificador para objetivo/resultado esperado.

 

Estrutura de Codificação

. Componente do cuidado de saúde domiciliar: primeiro Alpha código, de A a T

. Categoria do diagnóstico de enfermagem Principal: 2nd e 3 nd dígito: 01 a 50

. Subcategoria de diagnóstico de enfermagem: quarto décimo digital: 1 a 9

. Objetivo/ situação da alta: quinto dígito: 1 a 3 (use somente um)

1= melhorado; 2=estabilizado, 3= deteriorado

 

 

Tabela 3 – A Classificação de Cuidados a Saúde Domiciliar (HHCC)

dos Diagnósticos de Enfermagem e Esquema de Códigos: 50 categorias principais e 95 subcategorias

  1. 50 Categorias Principais de Diagnósticos de Enfermagem e 95 subcategorias

 

A – Componente Atividade

01 Atividade alterada

01.1        Intolerância a atividade

01.2        Risco de Intolerância a atividade

01.3        Déficit de atividade de diversão

01.4        Fadiga

01.5        Mobilidade fisica prejudicada

01.6        Distúrbio no padrão de sono

02 Musculo-esquelético alterado

 

B – Componente eliminação intestinal

03 Eliminação intestinal alterada

03.1 Incontinência intestinal

03.2 Constipação colônica

03.3 Diarréia

03.4 Impactação de fezes

03.5 Constipação percebida

03.6 Constipação inespecífica

04 Gastrointestinal alterada

 

C – Componente cardíaco

05 Débito cardíaco alterado

06 Cardiovascular alterado

06.1 Pressão sanguínea alterada

 

  1. Componente cognitivo

07 Cerebral alterado

08 Déficit de conhecimento

08.1 Déficit de conhecimento de teste diagnóstico

08.2 Déficit de conhecimento de regime dietético

08.3 Déficit de conhecimento de processo de doença

08.4 Déficit de conhecimento de volume de líquidos

08.5 Déficit de conhecimento de regime medicamentoso

08.6 Déficit de conhecimento de precaução de segurança

08.7 Déficit de conhecimento de regime terapêutico

09 Processo de pensamento alterado

 

E- Componente Coping

10 Processo de morte

11 Coping familiar prejudicado

11.1 Coping familiar comprometido

11.2 Coping familiar inábil

12 Coping individual prejudicado

12.1 Ajustamento prejudicado

12.2 Conflito de decisão

12.3 Coping defensivo

12.4 Negação

13 Resposta após trauma

13.1 Síndrome de trauma de estupro

14 Estado espiritual alterado

14.1 Angústia espiritual

 

  1. Componente volume de líquidos

15 Volume de líquidos alterado

15.1 Déficit de volume de líquido

15.2 Risco de déficit de volume de líquido

15.3 Excesso de volume de líquido

15.4 Risco de excesso de volume de líquido

 

G Componente comportamento de saúde

16 Crescimento e desenvolvimento alterado

17 Manutenção de saúde alterada

18 Comportamento de busca de saúde alterado

19 Manutenção do lar alterada

20 Não aderência

20.1  Não aderência a teste diagnóstico

20.2  Não aderência a regime dietético

20.3  Não aderência a volume de líquido

20.4  Não aderência a regime medicamentoso

20.5  Não aderência a precaução de segurança

20.6  Não aderância a regime terapêutico

 

H Componente medicamentoso

21  Risco medicamentoso

21.1 Polifármacos

 

I Componente metabólico

22  Endócrino alterado

23  Imunológico alterado

23.1 Proteção alterada

 

J Componente nutricional

24 Nutrição alterada

24.1 Déficit de nutrição corporal

24.2 Risco de déficit de nutrição corporal

24.3 Excesso de nutrição corporal

24.4 Risco de excesso nutrição corporal

 

K Componente Regulação física

25 Regulação fisica alterada

25.1 Disreflexia

25.2 Hipertermia

25.3 Hipotermia

25.4 Termoregulação prejudicada

25.5 Risco de infecção

25.6 Infecção inespecífica

 

L Componente respiratório

26 Respiração alterada

26.1 Limpeza de vias aéreas prejudicada

26.2 Padrão respiratório prejudicado

26.3 Troca gasosa prejudicada

 

M Componente de papel e relacionamento

27 Desempenho de papel alterado

27.1 Conflito de papel paternidade/maternidade

27.2 Paternidade/maternidade alterada

27.3 Disfunção sexual

28 Comunicação prejudicada

28.1 Verbal prejudicada

29 Processo familiar alterado

30 Pesar

30.1 Pesar antecipado

30.2 Pesar disfuncional

31 Padrão sexual alterado

32 Socialização alterada

32.1 Interação social alterada

32.2 Isolamento social

 

N Componente segurança

33 Risco de injúria

33.1 Risco de aspeiração

33.2 Síndrome de desuso

33.3 Risco de envenenamento

33.4 Risco de sufocamento

33.5 Risco de trauma

34 Risco de Violência

 

O Componente auto-cuidado

35 Déficit de higiene/banho

36 Déficit em arrumar-se/vestir-se

37 Déficit de alimentação

37.1 Aleitamneto materno prejudicado

37.2 Deglutição prejudicada

38 Déficit de auto cuidado

38.1 Atividade da vida diária alterada

38.2 Instrumental de atividade da vida diária alterada

39 Déficit de toilete

 

P Componente de auto-conceito

40 Ansiedade

41 Medo

42 Significância alterada

42.1 Desesperança

42.2 Impotência

43 Auto conceito alterado

43.1 Distúrbio de imagem corporal

43.2 Distúrbio de identidade pessoal

43.3 Distúrbio de baixa auto estima crônica

43.4 distúrbio de auto estima situacional

 

Q Componente sensorial

44 Sentido perceptual alterado

44.1 Audição alterada

44.2 Paladar alterado

44.3 Cinestesia alterada

44.4 Olfato alterado

44.5 Tato alterado

44.6 Negligência unilateral

44.7 Visão alterada

45 Conforto alterado

45.1 Dor aguda

45.2 Dor crônica

45.3 Dor inespecífica

 

R Componente Integridade de pele

46 Integridade de pele alterada

46.1 Membrana mucosa oral alterada

46.2 Integridade de pele prejudicada

46.3 Risco de integridade de pele prejudicada

46.4 Incisão de pele

47 Periférico alterado

 

S Componente perfusão tissular

48 Perfusão tissular alterada

T Componente Eliminação urinária

49 Eliminação urinária alterada

49.1 Incontinência urinária funcional

49.2 Incontinência urinária reflexa

49.3 Incontinência urinária de stress

49.4 Incontinência urinária total

49.5 Incontinência urinária de urgência

49.6 Retenção urinária

50 Renal alterado

 

Adaptado de NANDA: Taxonomia I: revisada 1990.

 

 

 

Tabela 4 – Classificação do cuidado de saúde domiciliar de 145 dignósticos de enfermagem: lista alfabética com definição e códigos

A01  Atividade alterada

Mudança ou modificação na energia usada pelo corpo

A01 Intolerância a atividade

Incapacidade de executar atividades fisiológicas ou psicológicas diárias

A01.2 Risco de Intolerância a atividade

Aumento na mudança da capacidade de executar atividades fisiológicas ou          psicológicas diárias

O38.1 Atividade da vida diária alterada

Mudança ou modificação da habilidade em se manter

Q45.1 Dor aguda

Sofrimento físico ou angústia; machucar

E12.1 Ajustamento prejudicado

Inadequada adaptação as condições ou mudanças no estado de saúde

L26.1 Limpeza de vias aéreas prejudicada

Inabilidade para limpar secreções e obstruções em vias aéreas

M30.1 Pesar antecipado

Grande sentimento de pesar antes do evento ou da perda

P40 Ansiedade

Sentimento de angústia ou apreensão cuja fonte é desconhecida

N33.1 Risco de aspiração

Chance de aumento na passagem de material na região brônquio-traqueal

Q44.1 Audição alterada

Diminuição da habilidade de ouvir

O35 Déficit de higiene/banho

Habilidade de limpar-se prejudicada

C06.1 Pressão sanguinea alterada

Mudança na pressão sistólica e diastólica

P43.1 Distúrbio de imagem corporal

Desequilíbrio na percepção do como vê a si mesmo

J24.1 Déficit de nutrição corporal

Absorção ou ingesta de alimentos ou nutrientes abaixo da adequada

J24.2 Risco de déficit de nutrição corporal

Mudança aumentada da absorção ou ingesta de alimentos ou nutrientes    abaixo da adequada

J24.3 Excesso de nutrição corporal

Absorção ou ingesta de alimentos ou nutrientes acima da adequada

J24.4 Risco de excesso nutrição corporal

Chance de aumento de ingesta ou absorção de alimentos ou nutrientes     maior do que o adequado

B03 Eliminação intestinal alterada

Mudança ou modificação no sistema gastrointestinal

B03.1 Incontinência intestinal

Defecação involuntária

O37.1 Aleitamento materno prejudicado

Habilidade diminuída para nutrir criança nas mamas

L26.2 Padrão respiratório prejudicado

Inalação ou exalação inadequada

C05 Débito cardíaco alterado

Mudança ou modificação na ação no bombeamento do coração

C06 Cardiovascular alterado

Mudança ou modificação do coração ou vasos sanguineos

D07 Cerebral alterado

Mudança ou modificação do processo de pensamento ou mentalização

P43.3 Distúrbio de baixa auto estima crônica

Avaliação negativa persistente sobre si mesmo

Q45.2 Dor crônica

Dor que continua por mais tempo do que o esperado

B03.2 Constipação colônica

Passagem difícil ou não frequente de fezes duras e secas

Q45 Conforto alterado

Mudança ou modificação na sensação que é angustiante

M28 Comunicação prejudicada

Habilidade diminuída para trocar pensamentos, opiniões ou informação

E11.1 Coping familiar comprometido

Inabilidade da família para funcionar favoravelmente

12.2 Conflito de decisão

Luta relativa a determinação do curso de ação

E12.3 Coping defensivo

Estratégias de auto-proteção para proteger-se contra ameaças

E12.4 Negação

Tentativa de reduzir ansiedade recusando-se a aceitar pensamentos,         sentimentos ou fatos

B03.3 Diarréia

Frequência anormal e fluidez de fezes

E11.2  Coping familiar inábil

Habilidade disfuncional da família para funcionar

N33.2 Síndrome de desuso

Grupo de sintomas relacionados a efeitos de imobilidade

A01.3 Déficit de atividade de diversão

Falta de interesse ou engajamento nas atividades de lazer

O36 Déficit em arrumar-se/vestir-se

Habilidade prejudicada para vestir-se e arrumar-se

E10 Processo de morte

Respostas físicas e comportamentais associadas a morte

M30.2 Pesar disfuncional

Prolongado sentimento de grande pesar

K25.1 Disreflexia

Ameaça de vida inibida por resposta do sistema simpático a um estímulo nocivo a pessoa com injúria na espinha dorsal a nível T7  ou acima.

I22  Endócrino alterado

Mudança ou modificação na secreção interna de hormônios

E11 Coping familiar prejudicado

Resposta familiar inadequada a problemas ou dificuldades

M29 Processo familiar alterado

Mudança ou modificação do funcionamento usual de um relacionado         grupo

A01.4 Fadiga

Exaustão que interfere com atividades físicas e mentais

P41 Medo

Sentimento de pavor ou angústia cuja causa pode ser identificada

B03.4 Impactação de fezes

Fezes impactadas no intestino

O37 Déficit de alimentação

Habilidade prejudicada para alimentar-se

F15 Volume de líquidos alterado

Mudança ou modificação nos líquidos corporais

F15.1 Déficit de volume de líquido

Desidratação

F15.2 Risco de déficit de volume de líquido

Aumento da chance de desidratação

F15.3 Excesso de volume de líquido

Retensão de líquido, sobrecarga, edema

F15.4 Risco de excesso de volume de líquido

Chance de aumento na retensão de líquido, sobrecarga, edema

T49.1 Incontinência urinária funcional

Involuntária, imprevisível passagem de urina

L26.3 Troca gasosa prejudicada

Desequilíbrio na transferência de oxigênio e dióxido de carbono entre       pulmão e sistema vascular

B04 Gastrointestinal alterado

Mudança ou modificação no estômago e intestinos

M30 Pesar

Sentimento de grande pesar

G16 Crescimento e desenvolvimento alterado

Mudança ou modificação no índices normais para a idade

Q44.2 Paladar alterado

Habilidade gustativa diminuída

G17 Manutenção de saúde alterada

Mudança ou modificação na habilidade de gerenciar as necessidades         relacionadas a saúde

G18 Comportamento de busca de saúde alterado

Mudança ou modificação das ações necessárias para melhorar o estado de           saúde

G19 Manutenção do lar alterada

Inabilidade para sutentar um ambiente saudável e seguro

P42.1 Desesperança

Sentimento de desesperança ou futilidade e abandono passivo

K25.2 Hipertermia

Temperatura do corpo acima do normal

K25.3 Hipotermia

Temperatura do corpo abaixo do normal

I23  Imunológico alterado

Mudança ou modificação do sistema imunológico

E12 Coping individual prejudicado

Inadequada resposta pessoal a problemas e dificuldades

K25.5 Risco de infecção

Mudança aumentada de contaminação com germes produtores de   doenças

K25.6 Infecção inespecífica

Contaminação desconhecida com germes produtores de doença

N33 Risco de injúria

Aumento de chance de perigo ou perda

O38.2 Instrumental de atividade da vida diária alterada

Mudança ou modificação de atividades mais complexas do que aquelas      necessárias para manter-se

Q44.3 Cinestesia alterada

Habilidade para mover-se diminuída

D08 Déficit de conhecimento

Falta de informação, entendimento ou compreensão

D08.1 Déficit de conhecimento de teste diagnóstico

Falta de informação nos testes para identificar doenças ou acessar   condições de saúde

D08.2 Déficit de conhecimento de regime dietético

Falta de informação nas precrições de ingesta de alimentos ou de líquidos

D08.3 Déficit de conhecimento de processo de doença

Falta de informação na morbidade, curso ou tratamento das condições de saúde

D08.4 Déficit de conhecimento de volume de líquidos

Falta de informação na ingesta de volume de líquidos requeridos.

D08.5 Déficit de conhecimento de regime medicamentoso

Falta de informação sobre a prescrição de substâncias medicamentosas

D08.6 Déficit de conhecimento de precaução de segurança

Falta de informação nas medidas para prevenir injúria, perigo e perda

D08.7 Déficit de conhecimento de regime terapêutico

Falta de informação sobre o curso do tratamento de doença

P42 Significância alterada

Mudança ou modificação da habilidade de ver significância, propósito ou   valor em alguma coisa

H21  Risco medicamentoso

Mudança aumentada de resposta negativa as substâncias medicinais

A02 Musculoesquelético alterado

Mudança ou modificação nos músculos. Ossos ou estruturas de apoio

G20 Não aderência

Falha ao seguir recomendações terapêuticas

G20.1 Não aderência a teste diagnóstico

Falha ao seguir recomendações terapêuticas nos testes para identificar       doenças ou avaliar condições de saúde

G20.2 Não aderência a regime dietético

Falha ao seguir ingesta de líquidos ou alimentos prescritos

G20.3 Não aderência a volume de líquido

Falha ao seguir ingesta de líquidos necessários

G20.4 Não aderência a regime medicamentoso

Falha ao seguir curso regulado de substâncias medicamentosas

G20.5 Não aderência a precaução de segurança

Falha ao seguir medidas para prevenir injúria, perigo ou perda

G20.6 Não aderância a regime terapêutico

Falha ao seguir curso regular do tratamento de doenças

J24 Nutrição alterada

Mudança ou modificação nos alimentos ou nutrientes

Q44.4 Olfato alterado

Diminuída habilidade para sentir cheiro

R46.1 Membrana mucosa oral prejudicada

Diminuída habilidade para manter os tecidos da cavidade oral

M27.1 Conflito de papel paternidade/maternidade

Luta com a posição paternal e responsabilidades

M27.2 Paternidade/maternidade alterada

Mudança ou modificação na habilidade de criação para promover    crescimento e desenvolvimento de infante/criança

B03.5 Constipação percebida

Crença e tratamento de não frequente ou dificuldade na passagem de       fezes sem causa

R47 Periferico alterado

Mudança ou modificação na vascularização de extermidades

P43.2 Distúrbio de identidade pessoal

Desequilíbrio na habilidade de distinguir entre o próprio ser e o não-ser

A01.5 Mobilidade fisica prejudicada

Habilidade diminuída para desempenhar movimentos independentes

K25 Regulação fisica alterada

Mudança ou modificação de controle somático

N33.3 Risco de envenenamento

Exposição ou ingesta de produtos perigosos

H21.1 Polifármacos

Uso de duas ou mais drogas juntas

E13 Resposta após trauma

Comportamento sustentado, relacionado a um evento traumático

P42.2 Impotência

Sentimento de desesperança ou inabilidade para agir

I23.1 Proteção alterada

Mudança ou modificação da habilidade para preservar o corpo contra        ameaças internas ou externas

E13.1 Síndrome de trauma de estupro

Grupo de sintomas relacionados a um ato sexual forçado

L26 Respiração alterada

Mudança ou modificação na respiração

T49.2 Incontinência urinária reflexa

Involuntária passagem de urina ocorrendo a intervalos previsíveis

T50 Renal alterado

Mudança ou modificação nos rins

M27 desempenho de papel alterado

Mudança ou modificação para realizar responsabilidades

O38 Déficit de auto cuidado

Habilidade prejudicada para manter-se

P43 Auto conceito alterado

Mudança ou modificação na habilidade em manter a própria auto-imagem

Q44 Sentido perceptual alterado

Mudança ou modificação nas respostas aos estímulos

M27.3 Disfunção sexual

Mudança deletéria na resposta sexual

M31 Padrão sexual alterado

Mudança ou modificação na resposta sexual do indivíduo

P43.4 Distúrbio de auto estima situacional

Negativa avaliação sobre si mesmo em resposta a uma perda ou     mudança.

R46.2 Integridade de pele prejudicada

Habilidade diminuída para manter o tegumento

R46.3 Risco de integridade de pele prejudicada

Mudança aumentada de ruptura de pele

R46.4 Incisão de pele

Corte do tegumento

A01.6 Distúrbio no padrão de sono

Desequilíbrio no ciclo normal de dormir/despertar

M32.1 Interação social alterada

Inadequada quantidade ou qualidade das relações pessoais

M32.2 Isolamento social

Estado de solidão, falta de interação com os outros

M32 Socialização alterada

Mudança ou modificação de identidade pessoal

E14.1 Angústia espiritual

Angústia relacionada ao espírito ou alma

E14 Estado espiritual alterado

Mudança ou modificação no espírito ou na alma

T49.3 Incontinência urinária de stress

Perda de urina ocorrendo com aumento da pressão abdominal

N33.4 Risco de sufocamento

Inadequado ar para respirar

O37.2 Deglutição prejudicada

Inabilidade para mover alimento da boca para o estômago

Q44.5 Tato alterado

Diminuída habilidade para sentir

K25.4 Termoregulação prejudicada

Flutuação da temperatura entre hipertermia e hipotermia

R46 Integridade de pele alterada

Uma mudança ou modificação na membrana mucosa, córnea,        intertegumentar ou estrutura subcutânea

S48 Perfusão tissular alterada

mudança ou modificação na oxigenação dos tecidos

O39 Déficit de toilete

Habilidade prejudicada para urinar ou defecar por si mesmo

T49.4 Incontinência urinária total

Contínua e imprevisível perda de urina

D09 Processo de pensamento alterado

Mudança ou modificação no processo cognitivo

N33.5 Risco de trauma

Injúria acidental de tecido

Q44.6 Negligência unilateral

Perda de consciência de um lado do corpo

CB03.6 constipação inespecífica

Outra forma de fezes anormais ou dificuldade de passagem das fezes

Q45.3 Dor inespecífica

Dor que é difiçil de apontar no teste de agulha

T49 Eliminação urinária alterada

Uma mudança ou modificação na excreção de material dos rins

T49.6 Retenção urinária

Incompleto esvaziamento da bexiga

T49.5 Incontinência urinária de urgência

Involuntária passagem de urina seguido por sensação de urgência em       urinar

M28.1 Verbal prejudicada

Diminuída habilidade para trocar pensamentos, opiniões ou informações   através da fala

N34 Risco de Violência

Mudança aumentada de ferir a si mesmo e aos outros

Q44.7 Visão alterada

Diminuída habilidade para ver

 

 

 

Tabela 5 – Classificação de Cuidados Domiciliares de 145 diagnósticos de enfermagem: índice alfabético com códigos

Atividade alterada A01
Intolerância a atividade A01.1
Risco de Intolerância a atividade A01.2
Atividade da vida diária alterada O38.1
Dor aguda Q45.1
Ajustamento prejudicado E12.1
Limpeza de vias aéreas prejudicada L26.1
Pesar antecipado M30.1
Ansiedade P40
Risco de aspiração N33.1
Audição alterada Q44.1
Déficit de higiene/banho O35
Pressão sanguinea alterada C06.1
Distúrbio de imagem corporal P43.1
Déficit de nutrição corporal J24.1
Risco de déficit de nutrição corporal J24.2
Excesso de nutrição corporal J24.3
Risco de excesso nutrição corporal J24.4
Eliminação intestinal alterada B03
Incontinência intestinal B03.1
Aleitamento materno prejudicado O37.1
Padrão respiratório prejudicado L26.2
Débito cardíaco alterado C05
Cardiovascular alterado C06
Cerebral alterado D07
Distúrbio de baixa auto estima crônica P43.3
Dor crônica Q45.2
Constipação colônica B03.2
Conforto alterado Q45
Comunicação prejudicada M28
Coping familiar prejudicado E11.1
Conflito de decisão E12.2
Coping defensivo E12.3
Negação E12.4
Diarréia B03.3
Coping familiar inábil E11.2
Síndrome de desuso N33.2
Déficit de atividade de diversão A01.3
Déficit em arrumar, vestir-se O36
Processo de morte E10
Pesar disfuncional M30.2
Disreflexia K25.1
Endócrino alterado I22
Coping familiar prejudicado E11
Processo familiar alterado M29
Fadiga A01.4
Medo P41
Impactação de fezes B03.4
Déficit de alimentação O37
Volume de líquidos alterado F15
Déficit de volume de líquido F15.1
Risco de déficit de volume de líquido F15.2
Excesso de volume de líquido F15.3
Risco de excesso de volume de líquido F15.4
Incontinência urinária funcional T49.1
Troca gasosa prejudicada L26.3
Gastrointestinal alterado B04
Pesar M30
Crescimento e desenvolvimento alterado G16
Paladar alterado Q44.2
Manutenção de saúde alterada G17
Comportamento de busca de saúde alterado G18
Manutenção do lar alterada G19
Desesperança P42.1
Hipertermia K25.2
Hipotermia K25.3
Imunológico alterado I23
Coping individual prejudicado E12
Risco de infecção K25.5
Infecção inespecífica K25.6
Risco de injúria N33
Instrumental de atividade da vida diária alterada O38.2
Cinestesia alterada Q44.3
Déficit de conhecimento D08
Déficit de conhecimento de teste diagnóstico D08.1
Déficit de conhecimento de regime dietético D08.2
Déficit de conhecimento de processo de doença D08.3
Déficit de conhecimento de volume de líquidos D08.4
Déficit de conhecimento de regime medicamentoso D08.5
Déficit de conhecimento de precaução de segurança D08.6
Déficit de conhecimento de regime terapêutico D08.7
Significância alterada P42
Risco medicamentoso H21
Musculoesquelético alterado A02
Não aderência G20
Não aderência a teste diagnóstico G20.1
Não derência a regime dietético G20.2
Não aderência a volume de líquido G20.3
Não aderência a regime medicamentoso G20.4
Não aderência a precaução de segurança G20.5
Não aderância a regime terapêutico G20.6
Nutrição alterada J24
Olfato alterado Q44.4
Membrana mucosa oral prejudicada R46.1
Conflito de papel paternidade/maternidade M27.1
Paternidade/maternidade alterada M27.2
Constipação percebida B03.5
Periférico alterado R47
Distúrbio de identidade pessoal P43.2
Mobilidade fisica prejudicada A01.5
Regulação fisica alterada K25
Risco de envenenamento N33.3
Polifármacos H21.1
Resposta após trauma E13
Impotência P42.2
Proteção alterada I23.1
Síndrome de trauma de estupro E13.1
Respiração alterada L26
Incontinência urinária reflexa T49.2
Renal alterado T50
Desempenho de papel alterado M27
Déficit de auto cuidado O38
Auto conceito alterado P43
Sentido perceptual alterado Q44
Disfunção sexual M27.3
Padrão sexual alterado M31
Distúrbio de auto estima situacional P43.4
Integridade de pele prejudicada R46.2
Risco de integridade de pele prejudicada R46.3
Incisão de pele R46.4
Distúrbio no padrão de sono A01.6
Interação social alterada M32.1
Isolamento social M32.2
Socialização alterada M32
Angústia espiritual E14.1
Estado espiritual alterado E14
Incontinência urinária de stress T49.3
Risco de sufocamento N33.4
Deglutição prejudicada O37.2
Tato alterado Q44.5
Termoregulação prejudicada K25.4
Integridade de pele alterada R46
Perfusão tissular alterada S48
Déficit de toilete O39
Incontinência urinária total T49.4
Processo de pensamento alterado D09
Risco de trauma N33.5
Negligência unilateral Q44.6
Constipação inespecífica B03.6
Dor inespecífica Q45.3
Eliminação urinária alterada T49
Retenção urinária T49.6
Incontinência urinária de urgência T49.5
Verbal prejudicada M28.1
Risco de Violência N34
Visão alterada Q44.7

 

 

 

 

Adaptado de NANDA: Taxonomia I: revisada 1990.

 

 

 

ANEXO C

 

Classificação do Cuidado de Saúde Domiciliar (HHCC) de Intervenções de Enfermagem e esquema de códigos

 

 

Classificação do Cuidado de Saúde Domiciliar (HHCC) de Intervenções de Enfermagem com tipos de ações de intervenção e estrutura de códigos

 

A estrutura de códigos da Classificação de Cuidado Domiciliar é descrita a seguir.  A estrutura é usada para codificar intervenções de enfermagem em cuidado domiciliar incluindo o tipo de ação das intervenções. A estrutura de códigos consiste de cinco caracteres alfanuméricos: o primeiro é um caracter alfabético representando o componente do cuidado domiciliar; o segundo e o terceiro caracter são dígitos numéricos representando as principais intervenções de enfermagem em saúde domiciliar; o quarto dígito é um branco ou um dígito decimal representando uma subcategoria de intervenção; o quinto caracter é um dígito decimal ( 1, 2, 3 ou 4) representando o tipo ação da intervenção, o modificador.

 

Estrutura de código

Componente do cuidado de saúde domiciliar: Primeiro código alpha, de A a T

Categoria principal de intervenção de enfermagem: segundo e terceiro dígito: 01 a 50

Subcategoria de intervenção de enfermagem: quarto dígito decimal: 1 a 9

Tipo de ação da intervenção: quinto dígito: 1 a 4 (usar somente um)

1=avaliar    2=cuidar    3=ensinar    4=gerenciar

 

 

Definição do Tipo de Ação na Intervenção

 

Avaliar (assess): ação que refere a avaliação da condição apresentada – sinais e/ou sintomas – no momento do exame do paciente.

Cuidar: ação que refere desempenhar cuidado manual direto – tratamento, intervenção e/ou procedimento no paciente

Ensinar: Ação que refere a educar ou instruir – o paciente e/ou o cuidador

Gerenciar: ação que refere a gerenciar o cuidado – ações indiretas a favor do paciente e/ou cuidador

 

Sinônimos de Tipo de Ação na Intervenção

Avaliar: observação habilidosa, triagem, monitorar, avaliar, checar, acompanhar

Cuidar: tratamento, procedimento, intervenção, administrar, medir, apoiar, desempenhar, fornecer, assistir

Ensinar: instruir, demonstrar, revisar, encorajar, explicar, reforçar, guiar

Gerenciar: conferir, colaborar, contatar, relatar, notificar, consultar, coordenar, arrumar, planejar.

 

 

 

 

Tabela 6 – Classificação de Cuidados em saúde domiciliar das intervenções de enfermagem e esquema de códigos: 60 categorias principais 2 100 subcategorias

 

I – 60 Intervenções de Enfermagem Principais e 100 subcategorias

A – Componente Atividade

01 – Cuidado de atividade

01.1 – Reabilitação cardíaca

01.2 – Conservação de energia

02 – Cuidado de fratura

02.1- Cuidar de gesso

02.2 – Cuidar de imobilizador

03 – Terapia de mobilidade

03.1  -Terapia de deambulação

03.2 – Terapia de aparelho de auxílio

03.3 – Cuidar de transferência

04 – Controlar padrão de sono

05 – Cuidado de reabilitação

05.1 Escala de movimento

05.2 Exercício de reabilitação

B – Componente eliminação intestinal

06 – Cuidado de intestino

06.1- Treinar intestino

06.2 – Desimpactar

06.3 – Enema

07 – Cuidado de ostomia

07.1 Irrigar ostomia

C – Componente cardíaco

08 – Cuidado cardíaco

09 – Cuidar de marcapasso

D – Componente cognitivo

10 – Cuidado do comportamento

11 – Orientar para realidade

E – Componente Coping (Abrangência)

12 – Serviço de aconselhamento

12.1 – Apoio para coping

12.2 – Controle de stress

13 – Apoio emocional

13.1 – Conforto espiritual

14 – Cuidado terminal

14.1 – Apoio para a  perda/privação

14.2 – Medidas de morte/ morrer

14.3 – Arranjos funerais

F – Componente Volume de líquido

15 – Terapia de fluido

15.1 –  Estado de hidratação

15.2 – Ingesta/ eliminação

16 –  Cuidado de infusão

16.1 – Cuidar infusão intravenosa

16.2 – Cuidar de cateter venoso

G – Componente Comportamento de saúde

17 – Programas especiais da comunidade

17.1 – Centro-dia para adulto

17.2 – Hospício

17.3 – Refeição – cesta básica

17.4 – Outros programas especiais da comunidade

18 – Cuidado de não aderência

18.1 – Não aderência em dieta

18.2 – Não aderência em volume de líquido

18.3 – Não aderência em regime médico

18.4 – Não aderência em regime medicamentoso

18.5 – Não aderência em precauções de segurança

18.6 – Não aderência em regime terapêutico

19 – Contato com enfermagem

19.1- Conta de direitos

19.2 – Coordenação do cuidado de enfermagem

19.3- Relatório do estado de enfermagem

20 – Contato com médico

20.1 – Prescrições médicas

20.2 – Relatório do estado médico

21 – Serviços profissionais para idosos

21.1 – Serviço de ajuda a saúde domicilicar

21.2 – Serviço médico de assistente social

21.3 – Serviço de enfermagem especializada

21.4 – Serviço de terapêuta ocupacional

21.5 – Serviço de fisioterapêuta

21.6 – Serviço de fonoterapêuta

21.7 – Outro serviço para idosos

21.8 – Outro serviço profissional

H – Componente medicação

22 – Cuidado em quimioterapia

23 – Administração de injeção

23.1 – Injeção de insulina

23.2 – Injeção de vitamina B12

24 – Administração de medicação

24.1 – Ações de medicação

24.2 – Preparo de refil de medicação

24.3 – Efeitos colaterais de medicação

25 – Cuidado de radioterapia

I – Componente Metabólico

26 – Cuidado em reação alérgica

27 – Cuidado de diabético

J – Componente nutricional

28 – Cuidado de tubo gástrico/nasogástrico

28.1- Inserção de tubo gástrico/nasogástrico

28.2 – Irrigação de tubo gástrico/nasogástrico

29 – Cuidado nutricional

29.1 – Alimentação enteral/parenteral

29.2 – Técnica de alimentação

29.3 – Dieta normal

29.4 – Dieta especial

K – Componente regulação física

30 – Controle de infecção

30.1 – Precauções universais

31 – Cuidado da saúde física

31.1 – História de saúde

31.2 – Promoção de saúde

31.3 – Exame físico

31.4 – Medidas físicas

32 – Análise de amostras (espécimes)

32.1 – Análise de amostra de sangue

32.2 – Análise de amostra de fezes

32.3 – Análise de amostra de urina

32.4 – Análise de outra amostra

33 – Sinais vitais

33.1 –  Pressão sanguinea

33.2 – Temperatura

33.3 – Pulso

33.4 – Respiração

34 – Controle de peso

L – Componente respiratório

35 – Cuidado de oxigenoterapia

36 – Cuidado respiratório

36.1 – Exercício respiratório

36.2 – Fisioterapia de tórax

36.3 – Terapia de inalação

36.4 – Cuidar de ventilador

37 – Cuidado de traqueostomia

M – Componente de papel e relacionamento

38 – Cuidado de comunicação

39 – Análise psicossocial

39.1 – Análise de situação domiciliar

39.2 – Análises de dinâmica interpessoal

N – Componente Segurança

40 – Controle de abuso

41 – Cuidado de emergência

42 – Precauções de segurança

42.1 – Segurança ambiental

42.2 – Equipamento de segurança

42.3 – Segurança individual

O – Componente auto-cuidado

43 – Cuidado pessoal

43.1 – Atividades da vida diária (ADL)

43.2 – Instrumental de atividades da vida diária

44 – Cuidado restrição no leito

44.1 – Terapia de posicionamento

P – Componente Auto-conceito

45 – Cuidado de saúde mental

45.1 – Histórico de saúde mental

45.2 – Promoção de saúde mental

45.3 – Triagem de saúde mental

45.4 – Tratamento de saúde mental

46 – Controle de violência

Q – Componente sensorial

47 – Controle de dor

48 – Cuidado de conforto

49 – Cuidado de ouvido

49.1 – Cuidar de aparelho auditivo

49.2 – Remoção de serúmen

50 – Cuidado de olhos

50.1 – Cuidar de catarata

R – Componente integridade de pele

51 – Cuidado de decúbito

51.1 – Decúbito estágio 1

51.2 – Decúbito estágio 2

51.3 – Decúbito estágio 3

51.4 – Decúbito estágio 4

52 – Controle de edema

53 – Cuidado com boca

53.1 – Cuidar de prótese dentária

54 – Cuidado de pele

54.1 – Controle de ruptura de pele

55 – Cuidado de ferida

55.1 – Cuidar de tubo de drenagem

55.2 – Trocar curativo

55.3 – Cuidar de incisão

S – Componente perfusão tissular

56 – Cuidado de pé

57 – Cuidado perineal

T – Componente eliminação urinária

58 – Cuidado de bexiga

58.1 – Instilação de bexiga

58.2 – Treinamento de bexiga

59 – Cuidado de diálise

60 – Cuidado de cateter urinário

60.1 – Inserção de cateter urinário

60.2 – Irrigação de cateter urinário

 

 

Tabela 7 – Classificação de Cuidados em saúde domiciliar de 160 intervenções de enfermagem: lista alfabética com definição de códigos

 

N40 – Controle de abuso

Ações para gerenciar situações para evitar, detectar ou minimizar perigo

A01 – Cuidado de atividade

Ações desempenhadas para realizar atividades diárias fisiológicas ou         psicológicas

O43.1 – Atividades da vida diária (ADL)

Atividades pessoais para manter-se

A03.1  -Terapia de deambulação

Ação para promover o andar

G17.1 – Centro-dia para adulto

Ações para gerenciar a provisão de um programa de um dia para adultos em um específico lugar

I26 – Cuidado em reação alérgica

Ações para reduzir sintomas ou precauções para reduzir alergias

A03.2 – Terapia de aparelho de auxílio

Ações para gerenciar o uso de produtos para ajudar no auto-cuidado

D10 – Cuidado do comportamento

Ações desempenhadas para gerenciar respostas observáveis para    estímulos internos e externos

T58 – Cuidado de bexiga

Ações desempenhadas para gerenciar problemas de drenagem urinária

T58.1 – Instilação de bexiga

Ações de colocar líquido no cateter

T58.2 – Treinamento de bexiga

Ações para prover instruções de cuidado nos problemas de drenagem       urinária

O44 – Cuidado restrição no leito

Ações desempenhadas para manusear um indivíduo no leito

E14.1 – Apoio para a perda/privação

Ações para prover conforto para família/amigos de uma pessoa que          morreu

G19.1- Conta de direitos

Declaração dos itens autorizados durante um episódio de doença

K33.1 –  Pressão sanguinea

Ações para medir a pressão sistólica e diastólica do sangue

K32.1 – Análise de amostra de sangue

Ações desempenhadas para coletar e/ou examinar amostra de sangue

B06 – Cuidado de intestino

Ações desempenhadas para manter ou restaurar o funcionamento do        intestino

B06.1- Treinar intestino

Ações para prover instruções nas condições de eliminação instestinal

L36.1 – Exercício respiratório

Ações para prover instruções no exercício pulmonar ou respiratório

C08 – Cuidado cardíaco

Ações desempenhadas para gerenciar mudanças no coração ou vasos       sanguineos

A01.1 – Reabilitação cardíaca

Ações feitas para restaurar saúde cardíaca

A02.1- Cuidar de gesso

Ações desempenhadas para gerenciar curativo rígido

Q50.1 – Cuidar de catarata

Ações desempenhadas para controlar condições de catarata

H22 – Cuidado em quimioterapia

Ações desempenhadas para administrar e monitorar agentes anti-   neoplásicos

L36.2 – Fisioterapia de tórax

Exercícios para promover drenagem postural dos pulmões

Q48 – Cuidado de conforto

Ações desempenhadas para melhorar ou realçar bem-estar

G18 – Cuidado de não aderência

Ações desempenhadas para encorajar adaptação as recomendações          terapêuticas

G18.1 – Não aderência em dieta

Ações para encorajar adaptação na ingesta de líquidos e alimentos

G18.2 – Não aderência em volume de líquido

Ações para encorajar adaptação na terapêutica de ingesta de líquidos

G18.3 – Não aderência em regime médico

Ações para encorajar adaptação ao plano de cuidado do médico

G18.4 – Não aderência em regime medicamentoso

Ações para encorajar adaptação no seguimento da prescrição de     substâncias medicamentosas

G18.5 – Não aderência em precauções de segurança

Ações para encorajar adaptação com medidas para proteger a si mesmo e          outros de injúria, perigo e perda

G18.6 – Não aderência em regime terapêutico

Ações para encorajar adaptação com o plano de cuidado da equipe de      saúde

G17 – Programas especiais da comunidade

Ações para gerenciar a provisão de avisos ou instruções sobre recursos     especiais de programas da comunidade

M38 – Cuidado de comunicação

Ações desempenhadas para troca verbais de informação

E12.1 – Apoio para coping

Ações para sustentar uma pessoa lidando com responsabilidades,   problemas ou dificuldades

E12 – Serviço de aconselhamento

Ações para fornecer aviso ou instrução para ajudar alguém

I27 – Cuidado de diabético

Ações desempenhadas para controlar condições diabéticas

T59 – Cuidado de diálise

Ações desempenhadas no cuidado e gerenciamento de tratamentos de      diálise

B06.2 – Desimpactar

Ações para remover fezes manualmente

R51 – Cuidado de decúbito

Ações desempenhadas para prevenir, detectar, e tratar ruptura de   integridade da pele causada por pressão

R51.1 – Decúbito estágio 1

Ações desempenhadas para prevenir ruptura de pele

R51.2 – Decúbito estágio 2

Ações desempenhadas para gerenciar ruptura de tecido

R51.3 – Decúbito estágio 3

Ações desempenhadas para gerenciar destruição de pele

R51.4 – Decúbito estágio 4

Ações desempenhadas para gerenciar feridas abertas

R53.1 – Cuidar de prótese dentária

Ações desempenhadas para gerenciar dentes artificiais

R55.1 – cuidar tubo de drenagem

Ações desempenhadas para controlar drenagem dos tubos

R55.2 – Trocar curativo

Ações desempenhadas para remover e recolocar nova bandagem em uma           ferida

E14.2 – Medidas de morte/ morrer

Ações para gerenciar o processo de morte

Q49 – Cuidado de ouvido

Ações desempenhadas para gerenciar problemas do ouvido

R52 – Controle de edema

Ações gerenciar excesso de líquido em tecido

N41 – Cuidado de emergência

Ações desempenhadas para gerenciar uma súbita, inesperada ocorrência

E13 – Apoio emocional

Ações para sustentar um estado positivo afetivo

B06.3 – Enema

Ações desempenhadas para administrar líquido via retal

A01.2 – Conservação de energia

Ações feitas para preservar energia

J29.1 – Alimentação enteral/parenteral

Ações para fornecer nutrição por via intravenosa ou gastrointestinal

N42.1 – Segurança ambiental

Precauções recomendadas para prevenir ou reduzir injúria ambiental

N42.2 – Equipamento de segurança

Precauções recomendadas para prevenir ou reduzir equipamento de injúria

Q50 – Cuidado de olhos

Ações desempenhadas para gerenciar problemas de olhos

J29.2 – Técnica de alimentação

Ações usando medidas especiais para fornecer nutrição

F15 – Terapia de fluído

Ações para fornecer ingesta de volume de líquidos

S56 – Cuidado de pé

Ações desempenhadas para gerenciar problemas do pé

A02 – Cuidado de fratura

Ações desempenhadas para gerenciar ossos quebrados

E14.3 – Arranjos funerais

Ações desempenhadas para gerenciar preparos para enterro

J28 – Cuidado de tubo gástrico/nasogástrico

Ações desempenhadas para controlar drenagem de tubos     gástrico/nasogástrico

J28.1- Inserção de tubo gástrico/nasogástrico

Ações desempenhadas para colocar tubo de drenagem         gástrico/nasogástrico

J28.2 – Irrigação de tubo gástrico/nasogástrico

Ações desempenhadas para irrigar ou lavar um tubo de drenagem gástrico/nasogástrico

Q49.1 – Cuidar de aparelho auditivo

Ações desempenhadas para gerenciar um aparelho auditivo

K31.1 – História de saúde

Ações para obter informação sobre estado de saúde e doença anterior

K31.2 –  Promoção de saúde

Ações desempenhadas para encorajar comportamento para melhorar        estado de saúde

G21.1 – Serviço de ajuda a saúde domicilicar

Ações desempenhadas para gerenciar provisão de serviços de saúde         domiciliar  por um ajudante de saúde domiciliar

M39.1 – Análise de situação domiciliar

Análise de ambiente de moradia

G17.2 – Hospício

Ações para gerenciar provisão de oferta e/ou fornecer cuidado para          pessoas com doença terminal

F15.1 –  Estado de hidratação

Ações para gerenciar o estado de balanço hídrico

A02.2 – Cuidar de imobilizador

Ações para gerenciar um aparelho de gesso, molde ou repouso no leito

R55.3 – Cuidar de incisão

Ações desempenhadas para gerenciar uma ferida cirúrgica

N42.3 – Segurança individual

Precauções para reduzir injúria pessoal

K30 – Controle de infecção

Ações desempenhadas para gerenciar doenças comunicáveis

F16 –  Cuidado de infusão

Ações desempenhadas para gerenciar administração de solução por via     venosa

L36.3 – Terapia de inalação

Ações desempenhadas para gerenciar tratamento respiratório

H23 – Administração de injeção

Ações desempenhadas para administrar uma medicação por via      hipodérmica

O43.2 – Instrumental de atividades da vida diária

Atividades complexas desempenhadas para gerenciar habilidades básicas   da vida

F15.2 – Ingesta/ eliminação

Ações desempenhadas para medir a quantidade de fluídos/alimentos e      excreção de metabólitos

M39.2 – Análises de dinâmica interpessoal

Análises de forças dirigentes no relacionamento entre pessoas

H23.1 – Injeção de insulina

Ações desempenhadas para gerenciar administração de insulina      hipodérmica

F16.1 – Cuidar intravenoso

Ações desempenhadas para gerenciar infusão

G17.3 – Refeição – cesta básica

Ações desempenhadas para gerenciar a provisão de programas da comunidade para entrega de alimentos nos lares

G20.1 – Prescrições médicas

Ações desempenhadas para gerenciar o plano de tratamento do médico

G21.2 – Serviço médico de assistente social

Ações desempenhadas para prover conselhos ou instruções por um          assistente social

H24.1 – Ações de medicação

Atividades relacionadas para gerenciar ou monitorar substâncias     medicinais

H24 – Administração de medicação

Atividades relacionadas para gerenciar entregas de medicações prescritas

H24.2 – Preparo de refil de medicação

Atividades para assegurar a continuidade de suprimento de drogas prescritas

H24.3- Efeitos colaterais de medicação

Ações desempenhadas para controlar reações desagradáveis ou condições           a drogas prescritas

P45 – Cuidado de saúde mental

Ações feitas para promover bem-estar emocional

P45.1 – Histórico de saúde mental

Ações para obter informação sobre bem-estar emocional presente e          passado

P45.2 – Promoção de saúde mental

Ações para encorajar futuro bem-estar emocional

P45.3 – Triagem de saúde mental

Ações desempenhadas para sistematicamente examinar o bem-estar         emocional

P45.4 – Tratamento de saúde mental

Ações para gerenciar protocolos usados para tratar problemas emocionais

A03 – Terapia de mobilidade

Ações desempenhadas para aconselhar ou instruir nos déficits de    mobilidade

R53 – Cuidado com boca

Ações desempenhadas para gerenciar cavidade oral

G21.3 – Serviço de enfermagem especializada

Ações para obter conselho ou instruções de enfermeira especialista ou      enfermeira “practitioners”

G19.2 – Coordenação do cuidado de enfermagem

Ações desempenhadas para sintetizar todos os planos de cuidado

G19 – Contato de enfermagem

Ações para comunicar com outra enfermeira

G19.3- Relatório do estado de enfermagem

Ações desempenhadas para documentar condições de enfermagem

J29 – Cuidado nutricional

Ações desempenhadas para gerenciar alimentos e nutrientes

G21.4 – serviço de terapêuta ocupacional

Ações desempenhadas para fornecer conselho ou instruções por terapêuta          ocupacional

B07 – Cuidado de ostomia

Ações desempenhadas para gerenciar uma abertura artificial que remove   produtos de excretas

B07.1 Irrigar ostomia

Ações desempenhadas para irrigar ou lavar uma ostomia

G21.7 – Outro serviço para idosos

Ações desempenhadas para fornecer tarefas desempenhas por outros       prestadores de serviços para idosos

G17.4 – Outros programas especiais da comunidade

Ações desempenhadas para gerenciar provisão de conselhos ou instrução para um específico programa de recurso da comunidade

G21.8 – Outro serviço profissional

Ações desempenhadas para gerenciar as tarefas desempenhadas por         outros profissionais de saúde

K32.4 – Análise de outra amostra

Ações desempenhadas para coletar e/ou examinar uma amostra de tecido           corpóreo ou fluído

L35 – Cuidado de oxigenoterapia

Ações desempenhadas para gerenciar administração de tratamento com    oxigênio

C09 – Cuidar de marcapasso

Ações desempenhadas para gerenciar um aparelho eletrônico que fornece           um batimento cardíaco normal

Q47 – Controle de dor

Ações desempenhadas para gerenciar respostas a injúrias ou danos

S57 – Cuidado perineal

Ações desempenhadas para gerenciar problemas perineais

O43 – Cuidado pessoal

Ações desempenhadas para cuidar de si mesmo

O44.1 – Terapia de posicionamento

Processo de gerenciar mudanças na posição corporal

M39 – Análise psicossocial

Estudo de fatores psicológico e social

K31.3 – Exame físico

Ações desempenhadas para observar eventos somáticos

K31 – Cuidado da saúde física

Ações desempenhadas para gerenciar problemas somáticos

K31.4 – Medidas físicas

Ações desempenhadas para conduzir procedimentos para avaliar eventos somáticos

G21.5 – Serviço de fisioterapêuta

Ações desempenhadas para obter conselho ou instrução de um       fisioterapêuta

G20 – Contato com médico

Ações desempenhadas para comunicar-se com o médico

G20.2 – Relatório do estado médico

Ações desempenhadas para documentar condições pelo médico

G21 – Serviços profissionais para idosos

Ações desempenhadas para gerenciar as tarefas desempenhadas por         membros da equipe de saúde.

K33.3 – Pulso

Ações desempenhadas para medir batimentos rítmicos do coração

H25 – Cuidado de radioterapia

Ações desempenhadas para administrar e monitorar radioterapia

A05.1 Escala de movimento

Ações desempenhadas para gerenciar exercícios ativos e passivos para      manter funções de articulações

D11 – Orientar para realidade

Ações para promover a habilidade para localizar-se no meio ambiente

J29.3 – Dieta normal

Ações  para gerenciar ingestão de alimentos e nutrientes de uma dieta      padronizada estabelecida

A05 – Cuidado de reabilitação

Ações desempenhadas para recuperar funcionamento físico

A05.2 Exercício de reabilitação

Atividades para promover funcionamento físico

K33.4 – Respiração

Ações desempenhadas para medir a função respiratória

L36 – Cuidado respiratório

Ações feitas para gerenciar higiene pulmonar

PN42 – precauções de segurança

Medidas avançadas para evitar injúria, perigo ou dano

R54 – Cuidado de pele

Ações desempenhadas para gerenciar tegumento

R54.1 – Controle de ruptura de pele

Ações desempenhadas para gerenciar problemas de integridade de pele

A04 – Controlar padrão de sono

Ações desempenhadas para gerenciar o ciclo para dormir e despertar

E12.2 – Controle de stress

Ações desempenhadas para gerenciar resposta psicológica do corpo a       estímulos

J29.4 – Dieta especial

Ações para gerenciar ingestão de alimentos e nutrientes prescritos para     um propósito específico

K32 – Análise de amostras (espécimes)

Ações desempenhadas para gerenciar a coleta e exame de uma amostra    corpórea

G21.6 – Serviço de fonoterapêuta

Ações desempenhadas para fornecer conselho ou instrução por terapêuta da fala

E13.1 – Conforto espiritual

Ações desempenhadas para consolar, recuperar ou promover saúde          espiritual

K32.2 – Análise de amostra de fezes

Ações desempenhadas para coletar e/ou examinar uma amostra de fezes

K33.2 – Temperatura

Ações desempenhadas para medir temperatura corpórea

E14 – Cuidado terminal

Ações desempenhadas na proximidade do período de morte

L37 – Cuidado de traqueostomia

Ações desempenhadas para gerenciar traqueostomia

A03.3 – Cuidar de transferência

Ações desempenhadas para assistir no movimento de lugar para outro

T60 – Cuidado de cateter urinário

Ações desempenhadas para gerenciar cateter urinário

T60.1 – Inserção de cateter urinário

Ações desempenhadas para colocar cateter urinário na bexiga

T60.2 – Irrigação de cateter urinário

Ações desempenhadas para irrigar um cateter urinário

K32.3 – Análise de amostra de urina

Ações desempenhadas para coletar e/ou examinar amostra de urina

K30.1 – Precauções universais

Práticas para prevenir disseminação de infecção ou doenças infecciosas

F16.2 – Cuidar de cateter venoso

Ações desempenhadas para gerenciar equipamento de infusão

L36.4 – Cuidar de ventilador

Ações desempenhadas para gerenciar e monitorar um ventilador

P46 – Controle de violência

Ações desempenhadas para gerenciar comportamento que podem causar dano a si mesmo ou a outros

K33 – Sinais vitais

Açoes desempenhadas para medir temperatura, pulso, respiração e          pressão sanguinea

H23.2 – Injeção de vitamina B12

Ações desempenhadas para administrar vitamnia B12 hipodérmica

Q49.2 – Remoção de serúmen

Ações desempenhadas para remover serúmem do ouvido

K34 – Controle de peso

Ações para gerenciar obesidade ou debilitação

R55 – Cuidado de ferida

Ações desempenhadas para gerenciar áreas abertas da pele

 

 

 

Tabela  8 – Classificação de Cuidados em saúde domiciliar de 160 intervenções de enfermagem: lista alfabética com códigos

 

Controle de abuso N40
Cuidado de atividade A01
Atividades da vida diária (ADL) O43.1
Terapia de deambulação A03.1
Centro dia para adulto G17.1
Cuidado em reação alérgica I26
Terapia de aparelho de auxílio A03.2
Cuidado do comportamento D10
Cuidado de bexiga T58
Instilação de bexiga T58.1
Treinamento de bexiga T58.2
Cuidado restrição no leito O44
Apoio para a perda/privação E14.1
Conta de direitos G19.1
Pressão sanguinea K33.1
Análise de amostra de sangue K32.1
Cuidado de intestino B06
Treinar intestino B06.1
Exercício respiratório L36.1
Cuidado cardíaco C08
Reabilitação cardíaca A01.1
Cuidar de gesso A02.1
Cuidar de catarata Q50.1
Cuidado em quimioterapia H22
Fisioterapia de tórax L36.2
Cuidado de conforto Q48
Cuidado de não aderência G18
Não aderência em dieta G18.1
Não aderência em volume de líquido G18.2
Não aderência em regime médico G18.3
Não aderência em regime medicamentoso G18.4
Não aderência em precauções de segurança G18.5
Não aderência em regime terapêutico G18.6
Programas especiais da comunidade G17
Cuidado de comunicação M38
Apoio para coping E12.1
Serviço de aconselhamento E12
Cuidado de diabético I27
Cuidado de diálise T59
Desimpactar B06.2
Cuidado de decúbito R51
Decúbito estágio 1 R51.1
Decúbito estágio 2 R51.2
Decúbito estágio 3 R51.3
Decúbito estágio 4 R51.4
Cuidar de prótese dentária R53.1
Cuidar tubo de drenagem R55.1
Trocar curativo R55.2
Medidas de morte/ morrer E14.2
Cuidado de ouvido Q49
Controle de edema R52
Cuidado de emergência N41
Apoio emocional E13
Enema B06.3
Conservação de energia A01.2
Alimentação enteral/parenteral J29.1
Segurança ambiental N42.1
Equipamento de segurança N42.2
Cuidado de olhos Q50
Técnica de alimentação J29.2
Terapia de fluído F15
Cuidado de pé S56
Cuidado de fratura A02
Arranjos funerais E14.3
Cuidado de tubo gástrico/nasogástrico J28
Inserção de tubo gástrico/nasogástrico J28.1
Irrigação de tubo gástrico/nasogástrico J28.2
Cuidar aparelho auditivo Q49.1
História de saúde K31.1
Promoção de saúde K31.2
Serviço de ajuda a saúde domicilicar G21.1
Análise de situação domiciliar M39.1
Hospício G17.2
Estado de hidratação F15.1
Cuidar de imobilizador A02.2
Cuidar de incisão R55.3
Segurança individual N42.3
Controle de infecção K30
Cuidado de infusão F16
Terapia de inalação L36.3
Administração de injeção H23
Instrumental de atividades da vida diária O43.2
Ingesta/ eliminação F15.2
Análises de dinâmica interpessoal M39.2
Injeção de insulina H23.1
Cuidar intravenoso F16.1
Refeição – cesta básica G17.3
Prescrições médicas G20.1
Serviço médico de assistente social G21.2
Ações de medicação H24.1
Administração de medicação H24
Preparo de refil de medicação H24.2
Efeitos colaterais de medicação H24.3
Cuidado de saúde mental P45
Histórico de saúde mental P45.1
Promoção de saúde mental P45.2
Triagem de saúde mental P45.3
Tratamento de saúde mental P45.4
Terapia de mobilidade A03
Cuidado com boca R53
Serviço de enfermagem especializada G21.3
Coordenação do cuidado de enfermagem G19.2
Contato de enfermagem G19
Relatório do estado de enfermagem G19.3
Cuidado nutricional J29
Serviço de terapêuta ocupacional G21.4
Cuidado de ostomia B07
Irrigar ostomia B07.1
Outro serviço para idosos G21.7
Outros programas especiais da comunidade G17.4
Outro serviço profissional G21.8
Análise de outra amostra K32.4
Cuidado de oxigenoterapia L35
Cuidar de marcapasso C09
Controle de dor Q47
Cuidado perineal S57
Cuidado pessoal O43
Terapia de posicionamento O44.1
Análise psicossocial M39
Exame físico K31.3
Cuidado da saúde física K31
Medidas físicas K31.4
Serviço de fisioterapêuta G21.5
Contato com médico G20
Relatório do estado médico G20.2
Serviços profissionais para idosos G21
Pulso K33.3
Cuidado de radioterapia H25
Escala de movimento A05.1
Orientar para realidade D11
Dieta normal J29.3
Cuidado de reabilitação A05
Exercício de reabilitação A05.2
Respiração K33.4
Cuidado respiratório L36
Precauções de segurança N42
Cuidado de pele R54
Controle de ruptura de pele R54.1
Controlar padrão de sono A04
Controle de stress E12.2
Dieta especial J29.4
Análise de amostras (espécimes) K32
Serviço de fonoterapêuta G21.6
Conforto espiritual E13.1
Análise de amostra de fezes K32.2
Temperatura K33.2
Cuidado terminal E14
Cuidado de traqueostomia L37
Cuidar de transferência A03.3
Cuidado de cateter urinário T60
Inserção de cateter urinário T60.1
Irrigação de cateter urinário T60.2
Análise de amostra de urina K32.3
Precauções universais K30.1
Cuidar de cateter venoso F16.2
Cuidar de ventilador L36.4
Controle de violência P46
Sinais vitais K33
Injeção de vitamina B12 H23.2
Remoção de serúmen Q49.2
Controle de peso K34
Cuidado de ferida R55

 

 

Bigger font
High contrast